SINTELPOL PEDE EMENDA AO PROJETO DE REAJUSTE SALARIAL

Inconformada com o texto original do  Projeto de Lei Complementar nº 01/2018, apresentado pelo governador Geraldo Alckmin, no último dia 2 de fevereiro, com pedido de tramitação em regime de urgência, dispondo sobre os vencimentos e salários dos servidores públicos pertencentes às classes das áreas da saúde, educação, segurança pública, administração penitenciária, pesquisa científica e área meio das Secretarias de Estado, da Procuradoria Geral do Estado e Autarquias, a diretoria deste SINTELPOL, elaborou proposta de emenda ao referido projeto, com pedido de alteração no artigo 5º, com pedido de encaminhamento ao deputado estadual, Coronel Telhada – PSDB, o qual foi prontamente recebido pelo parlamentar e transformado na emenda nº 34/2018, que passará a ser analisada a partir deste dia 8 de fevereiro pelas seguintes comissões: de Constituição e Justiça; de Administração Pública e Relações do Trabalho; e de Finanças, Orçamento e Planejamento, visando a inserção e aprovação no texto final a ser votado por aquela Casa de Leis.

De acordo com a presidente deste Sindicato, Rosely Dionizio Guido Vallim, a iniciativa se deveu a urgente necessidade de se estabelecer ao menos o mínimo de ajuste no corroído salário dos integrantes da Polícia Civil Paulista, há quatro anos sem qualquer aumento, com vistas ao reconhecimento de que, nos quadros da Administração Pública, a carreira policial é uma das que mais exige dedicação, devotamento e sacrifício, sujeitando os seus servidores a permanentes situações extremas, especialmente nos dias atuais, com um sensível aumento de mortes de policiais no combate ao crime, este sim cada vez organizado e violento: “ É, pois, necessário que se reconheça o trabalho desses homens e mulheres que integram  as Polícias do Estado de São Paulo, neste momento tão desmerecidas, a partir da proposição do Governo em destinar o percentual de apenas 4,0% de reajuste nos salários dos integrantes das Polícias Civil e Militar, valor esse muito próximo do percentual de 3,5% destinado aos servidores integrantes dos Quadros Especiais de classes de servidores em Extinção, conforme se verifica nos dispositivos enumerados no artigo 5º do projeto apresentado, demonstrando com isso, o visível desmerecimento pela classe policial”, desabafou a presidente Rosely Guido.

Na emenda de nº 34/2018 apresentada, o parlamentar, coronel Telhada, após inserir a mesma justificativa apresentada pelo SINTELPOL, estendeu o mesmo pedido aos policiais militares, acrescentado o artigo 5º A, onde o salário mensal dos integrantes das Policiais Civil e Militar ficam reajustados em 7%, ou seja, no mesmo patamar oferecido aos integrantes da classe dos professores.

Diante do gesto classista do parlamentar, a diretoria do SINTELPOL empenha os mais sinceros agradecimentos em nome dos seus representados.  Confiram a integra do texto da referida emenda 34/2018 protocolado no último dia 7 de fevereiro.

Visualizar a emenda, clique aqui !

FacebookTwitterGoogle+WhatsAppCompartilhar