SINTELPOL NO FÓRUM DE MULHERES

A presidente do SINTELPOL, Rosely Guido Vallim na abertura do evento, fala da importância de cuidar do indivíduo sindicalizado
A presidente do SINTELPOL, Rosely Guido Vallim na abertura do evento, fala da importância de cuidar do indivíduo sindicalizado

Com vistas a prestigiar o trabalho desenvolvido pela Nova Central Sindical de  Trabalhadores do Estado de São Paulo – NCST-SP, da qual o SINTELPOL é filiado, a presidente Rosely Dionizio Guido Vallim participou na manhã deste dia 15 de setembro, da reunião do Fórum de Mulheres da Entidade, coordenado pela diretora de Assuntos da Mulher da FESSP-ESP e recém-eleita diretora de Assuntos da Mulher e da Juventude da Nova Central, Kátia Rodrigues.

Em virtude de assuntos contundentes  como a Reforma da Previdência e Reforma Trabalhista estar nas pautas dos assuntos mais polêmicos e discutidos na esfera política da nação atualmente, as líderes sindicais decidiram discutir no Fórum das Mulheres como essas reformas irão afetar de fato a realidade das mulheres trabalhadoras, seja da iniciativa privada ou do setor público.

Para abordar esses importantes temas, especialmente para o universo feminino que sempre é o mais atingido,  como  a Reforma Trabalhista na visão de gênero e a auto estima no trabalho e o empoderamento das mulheres, falaram as palestrantes convidadas, Lelah Monteiro (Sexóloga, Psicanalista, Especialista em Violência, abuso e exploração sexual contra a mulher entre outros) e Patrícia  Pelatieri ( Coordenadora de Pesquisas e Tecnologia do DIEESE).

A organizadora do evento, diretora da Feesp-Esp e da Nova Central, Kátia Rodrigues abre os trabalhos falando do necessário empoderamento da mulher atual.
A organizadora do evento, diretora da Feesp-Esp e da Nova Central, Kátia Rodrigues abre os trabalhos falando do necessário empoderamento da mulher atual.

Após agradecer o convite para compor a mesa de abertura do evento, a presidente do SINTELPOL, Rosely Guido, lembrou aos presentes que “além dos importantes assuntos  expostos pelas especialistas convidadas, seria importante todos lembrarem que o papel do Sindicato vai muito além das obrigações constitucionais com a representação e lutas classistas, deve também dirigir sua atenção e ações para o indivíduo sindicalizado, estando sempre integrado com a categoria que representa, e jamais estar omisso em relação aos problemas dos seus sindicalizados”.

FacebookTwitterGoogle+WhatsAppCompartilhar