S.O.S. Segurança Pública faz ato público contra mortes de policiais e sucateamento das instituições

O MOVIMENTO UNIFICADO S.O.S. SEGURANÇA PÚBLICA, composto por entidades de classes representativas da Polícia Civil, Polícia Técnico Científica e Polícia Militar do Estado de São Paulo realizou neste dia 21 de setembro Ato Público de Repúdio pelas mortes violentas de 113 policiais civis e militares neste primeiro semestre de 2016. Foram 94 policiais militares e 19 policiais civis executados em confronto com marginais. Segundo os organizadores do evento, que teve a duração de aproximadamente três horas e reuniu aproximadamente 500 policiais da Capital e Interior, o objetivo foi também marcar esta data como o Dia da Indignação Policial diante da política de desmonte da Segurança Pública Paulista.

A concentração dos policiais, com faixas, cartazes e cruzes simbolizando os policiais mortos aconteceu em frente ao Palácio da Polícia Civil, na rua Brigadeiro Tobias, área central da cidade, por volta das 10:00 horas, onde os policiais permaneceram por aproximadamente uma hora, ocasião em que foram feitas diversas homenagens pelos líderes do Movimento, com a abertura solene feita pelo presidente da Federação dos Sindicatos dos Servidores Públicos no Estado de São Paulo – FESSP-ESP, Lineu Neves Mazano, o qual comandou a manifestação também durante todo o trajeto percorrido pelos policiais por diversas ruas da área central, ocasião em que os líderes classistas apresentaram aos transeuntes que circulavam pelas Av. Ipiranga, Av. São Luiz, Rua Xavier de Toledo, Viaduto do Chá e Rua Líbero Badaró, por meio de discursos e palavras de ordem as consequências da inércia do Governo Estadual diante da urgente necessidade de se implementar políticas públicas de qualidade e valorização dos homens e mulheres que cuidam da segurança pública do Estado de São Paulo,.

Segundo os organizadores do evento, está ocorrendo um gradativo desmonte da Segurança Pública Paulista a partir da falta de pessoal. Na Polícia Civil a situação é muito grave. Com um total de 39.784 cargos em seus quadros, atualmente existem 13.913 cargos a serem preenchidos e que representam 30% do efetivo fixado, sendo esta a principal razão para o baixo índice de esclarecimentos de crimes devido a falta de pessoal, o que obriga também especialmente nos bairros periféricos da Capital e em cidades do Interior do Estado delegacias ficarem fechadas a noite e nos finais de semana e feriados. Com isso fica claramente demonstrada a falta de preocupação e de compromisso do Governo do Estado com a segurança pública.

Após a caminhada pacífica, os policiais permaneceram concentrados até por volta das 13 horas em frente a Secretaria da Segurança Pública, manifestando suas posições frente ao abandono e as mazelas institucionais pelas quais passam as forças policiais do Estado de São Paulo nos últimos anos e pedindo a nomeação urgente dos concursados aprovados desde 2013 para as diversas carreiras.
Enquanto os manifestantes enfatizavam as cobranças em prol da segurança do cidadão e pela vida e dignidade funcional dos policiais, todos os presidentes das Entidades foram convidados para se encontrarem com o Chefe de Gabinete do Secretário de Segurança, no interior do prédio da Secretaria, ocasião em que foi informado aos líderes classistas que o Secretário Mágino Alves Barbosa Filho irá receber todos os presidentes das entidades que formam o MOVIMENTO S.O.S.SEGURANÇA PÚBLICA, em audiência no próximo dia 26 deste mês de setembro, às 15:00 horas, em seu gabinete, para ouvir dessas lideranças quais as reivindicações de emergência das classes, com vistas ao estudo da viabilidade de atendimento.

FacebookTwitterGoogle+WhatsAppCompartilhar