Estação da Luz do Metrô exibe mostra sobre boas práticas policiais

O de à alegria , quarto movimento da 9ª sinfonia de Ludwig van Beethoven, executada pela Camerata da Polícia Militar de São Paulo, abriu a exposição Prêmio Polícia Cidadã, na tarde de ontem, 8, na Estação da Luz, Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo, administrada pela concessionária ViaQuatro.

cultural2

cultural3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Concebida pelo Instituto Sou da Paz, a mostra d estaca as boas práticas de projetos bem-sucedidos das polícias Civil, Militar e Técnico-Científica do Estado de São Paulo e vencedores da premiação.

Elaborada pelo Instituto Sou da Paz, exposição com 20 painéis dá visibilidade às ações que resultaram em redução da criminalidade. Composta de 20 painéis, exibe imagens da premiação, história da iniciativa e as ações vencedoras do prêmio. A mostra ficará na Estação da Luz neste mês. A partir de março, seguirá para a Estação Faria Lima.

“São projetos inovadores que trouxeram resultados efetivos na redução da criminalidade.

“As ações são motivo de orgulho para as polícias paulistas e têm potencial de serem replicadas em outros Estados e de motivar outras polícias”, salienta Ivan Marques, diretor-executivo do Instituto Sou da Paz, criador da iniciativa, que tem parceria da Imprensa Oficial do Estado. Marques frisa que a escolha de projetos de combate ao crime contra o patrimônio (roubo e assalto) se deu porque essas são modalidades criminosas que “fizeram a sensação de insegurança da população crescer muito nos últimos anos, atingindo todas as classes sociais e regiões”. Para a Secretaria de Segurança Pública, a diversidade de ações e as boas práticas policiais que refletem a exigência e o clamor da sociedade merecem elogios. O diretor da concessionária ViaQuatro, Maurício Dimitrov, diz que os espaços expositivos da Linha 4-Amarela estão abertos a essas iniciativas para que os passageiros possam tomar conhecimento desses trabalhos.

Roubo de carga – Comandante do 4º Batalhão de Polícia Rodoviária de Jundiaí, o tenente-coronel Lourival da Silva Júnior coordenou o trabalho com 800 policiais rodoviários o qual resultou na redução de 52% de roubo ou furto de caminhão e de carga, entre 2013 e 2015.

“Além da redução de ocorrências, 103 pessoas foram presas em flagrante delito nas rodovias da região de Jundiaí e Campinas.
cultural4
Esse complexo rodoviário concentra a maior movimentação de cargas da América Latina.” O tenente-coronel explica que a primeira providência do policiamento rodo- viário foi mapear o crime a partir de um questionário (respondido pelo motorista) com 91 questões. “Com 400 casos tabulados tivemos um panorama do problema”, ele relata.

“As respostas possibilitaram saber as características dos criminosos, como se dá a atuação deles, veículos, cargas, local (de ocorrência e de cativeiro do motorista), dias e horários”.

E acrescenta: “É um crime difícil de combater pela existência de receptadores de cargas e caminhões”.

Investigação – O então diretor do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap), em 2015, e atual corregedor-geral da Polícia Civil, Domingos de Paula Neto diz que os 6 mil policiais do Decap obtiveram sucesso na redução do número de crimes contra o patrimônio na capital paulista graças ao projeto que “priorizou a investigação policial, sem descuidar do atendimento ao público, que passou a ser completo”. Sem aumentar o efetivo policial, houve mudança na administração e gestão no Decap, atualmente sob direção de Ismael Lopes Rodrigues Júnior.

As equipes das delegacias foram dimensionadas de acordo “com a capacidade laborativa e as características dos distritos policiais”, esclarece o corregedor. Distritos menores ficaram com, pelo menos, quatro equipes. Cada uma delas integrada por um delegado, dois escrivães e dois investigadores. “Tínhamos 120 mil inquéritos e cada time tinha capacidade de cuidar de 200 inquéritos. Mas o ideal seria ter o dobro de escrivães e de investigadores.” Outro fator decisivo foi “a proximidade da delegacia de bairro com a comunidade”. Premiação 2018 – A exposição em cartaz se refere à sétima edição do prêmio e traz imagens de personalidades que se uniram à iniciativa, como os jornalistas Chico Pinheiro e Glória Maria, que atuaram como mestres de cerimônia, e de artistas da MPB, como Jair Rodrigues (1939-2014) e Moraes Moreira. A próxima edição será lançada em breve (com premiação em 2018) e tem expectativa de ampliar a adesão da polícia do interior. “Crimes com carros-fortes, cargas e caixas eletrônicos estão ocorrendo igualmente no interior.

A ideia é replicar em larga escala as boas práticas policiais”, comenta o diretor- -executivo do Sou da Paz.

Claudeci Martins
Imprensa Oficial – Conteúdo Editorial

 

 

FacebookTwitterGoogle+WhatsAppCompartilhar

Deixe uma resposta