Delegacia especializada proteje pessoa com deficiência

Enquanto Zilda Natália Bento e Lílian da Silva são atendidas pelas escrivãs da Delegacia de Polícia da Pessoa com Deficiência, uma senhora idosa com deficiência visual entra (guiada pelo piso tátil) no recinto, acomoda-se numa cadeira e, agitada, começa a chamar a plenos pulmões:

“Delegada Marli!”.

Em poucos segundos e sem qualquer alvoroço, um funcionário da primeira delegacia especializada do País se aproxima e a informa que será atendida assim que possível.

Então, a senhora se acalma e apoia o queixo na bengala posicionada à frente de seu corpo.

Momentos depois, Marli Maurício Tavares, delegada titular responsável pela unidade, conversa com Luzia (*) e pede auxílio à equipe de psicologia para ouvir seu relato.

“Aqui temos o trabalho conjunto de polícia judiciária que registra e averigua as denúncias e a equipe de apoio à vítima”, explica Marli.

“Da vez anterior que Luzia compareceu à delegacia estava sem condições de comunicar a sua queixa”, avalia a psicóloga Alessandra Chamma.

Página 02 – Veja a notícia na integra, clique aqui!

Página 03 – Veja a notícia na integra, clique aqui!

FacebookTwitterGoogle+WhatsAppCompartilhar